Este é um momento marcante para a cidade: o Rio guina... para o futuro!
Nenhum carioca ficará incólume, nenhum carioca pode ficar indiferente.
Esta é também uma das minhas formas de participar: sugerir caminhos para o Rio.
.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Proposta p/ Metrô da Linha 4 > trecho Rodoviária-Galeão

Atravessando a “nova” Av. Francisco Bicalho, a linha do Metrô avança para a Zona Norte. (Ou talvez fosse melhor dizer o contrário: é de lá que deve vir o maior fluxo de passageiros...)
A projeção do Metrô para esta grande área é complexa, mas pode-se pensar numa destinação específica para esta extensa Linha 4: a de ligar a Barra ao Galeão (via Centro, como vimos). Esta seria uma rota que não a sobrecarregaria e daria úteis alternativas a uma linha que atenderia diversos interesses.
Assim, a próxima parada seria a Estação São Cristóvão, em pleno Campo de São Cristóvão. Este seria mais um ponto de bifurcação, dele saindo: um ramal para o norte, visando o Aeroporto do Galeão; outro, para oeste, via Triagem, atendendo vários bairros populosos (o que fica para depois).
Indo para o norte, o Metrô passaria pela Estação Vasco da Gama (na Barreira do Vasco, próximo ao estádio de São Januário). A partir daí, se tornaria uma linha elevada (ou até, em alguns trechos, de superfície), a exemplo da Linha 2, em mais um trecho de Metrô Panorâmico, embora neste caso a paisagem ainda tenha que ser melhorada...
Em um grande estirão, seguiria pela Av. Brasil, que logo cruzaria, formando, à frente da Vila do João, a Estação Fiocruz (o nome mais fácil...), com acesso para a Fundação Oswaldo Cruz (Manguinhos), do outro lado. Seguindo mais um pouco a Av. Brasil, a linha se juntaria (e depois cruzaria) a Linha Amarela, formando, no viaduto sobre a Linha Vermelha, a Estação Fundão. A estação, construída no lado continental, atendendo às comunidades locais, teria também acesso à Ilha do Fundão, onde os usuários (certamente, estudantes...) usariam ônibus internos da UFRJ. 
.
Ainda no continente, a linha seguiria junto à pista da Linha Vermelha, até o melhor ponto de travessia para a Ilha do Fundão. Sobre esta ponte, mais uma estação, a Estação Maré, com acessos controlados por ambos os lados do Canal do Cunha.
Agora, pelo litoral da ilha, chega-se à área fronteira ao Hospital Universitário, e neste ponto teremos a Estação Universitário. Neste trecho, o Metrô cruzará, por cima, as pistas do BRT Transcarioca para, em seguida, com algum remanejamento das pistas e as necessárias reformas estruturais, ocupar (ou substituir) a antiga ponte do Galeão, hoje praticamente desativada.
.
Chegamos à Ilha do Governador, diante do antigo Aeroporto do Galeão, e a pergunta é: a linha do Metrô pode atravessar por baixo das pistas do aeroporto?...
Se pode, ótimo!... Simplesmente, a (ainda!) Linha 4 volta a ser subterrânea, e isto se daria na praça (sem nome?) que, até então, formava o contorno de acesso à ponte velha da Ilha. Daí, atravessando em diagonal sob as pistas do aeroporto, o Metrô chegaria justamente ao espaço entre os dois terminais do aeroporto, onde formaria a Estação Tom Jobim, o que facilitaria o acesso a ambos.
Se não for possível este caminho direto, a ponte velha já não serviria e a linha teria que ser reposicionada. De algum jeito, chegaria à Estrada do Galeão, onde voltaria a ser subterrânea (ou talvez pudesse vir assim, por baixo do canal, desde a Ilha do Fundão). Entrando pelo rumo da Av. 20 de Janeiro, a linha chegaria ao mesmo ponto ideal para a Estação Tom Jobim, à frente e à mesma distância dos terminais do aeroporto.
Evidentemente, a continuação do Metrô para os principais bairros da Ilha do Governador seria uma consequência óbvia (e, supostamente, imediata...) desta obra.
É bom lembrar que, em termos de transporte coletivo, o Aeroporto Tom Jobim só conta, atualmente, com um serviço de ônibus altamente deficiente, como mostraram recentes reportagens nos jornais. Nos próximos anos, entrará em serviço o BRT Transcarioca, até a Barra da Tijuca, com integração com o possível BRT Av. Brasil, mas é evidente que os passageiros para o Centro e Zona Sul precisam de alternativas...
Interessante é o fato de que as características dos distintos grupos de passageiros atendidos nesta linha farão com que haja procura nas mais variadas horas, conforme sejam viajantes, estudantes, funcionários, torcedores, farristas etc...

Um comentário:

Guina Ramos disse...

Completando o "linhão" (mas, sem emendas!) da Linha 4 descomplicada, eis o trecho que vai da Rodoviária ao Aeroporto Tom Jobim.
A maior parte em via elevada: mais um trecho de Metrô Panorâmico! (A paisagem é que precisa melhorar...)
De passagem, atenderá ao Fundão e à Maré.
E ainda abre uma saída, no rumo de Triagem, para outra linha, que, em diagonal, cruze a Zona Norte.
Mais um aeroporto, o maior da cidade, com acesso ao Metrô! Uma linha que abre grandes alternativas também para áreas populares e universitárias. Até o futebol vai usufruir deste trecho da Linha 4...